domingo, dezembro 06, 2015

Banda Várias Variáveis + Robert Moura em Belo Horizonte




A partir de um convite feito pela Roma Produtora, irei tocar nos próximos dias 19 e 20 de dezembro numa festa de confraternização de fãs da banda Engenheiros do Hawaii. O show será no formato voz e violão. No repertório, apenas canções da fase Gessinger, Licks & Maltz com uma atenção especial às canções do chamado lado B da banda.

Na sequência, haverá apresentações da banda cover de Brasília, Várias Variáveis. A banda é formada por Nando Lima (voz, baixo, teclados e programações), Daniel Reis (guitarra, violão, harmônica e voz) e Jhonata Pikeno (bateria e percussão). Entre outras canções de todas as fases dos Engenheiros, eles tocarão na íntegra os álbuns  "A Revolta dos Dândis" no sábado e "Várias Variáveis" no domingo.

Programa imperdível para quem curte os Engenheiros do Hawaii.

O site enghaw.com.br publicou uma matéria super caprichada sobre o evento. Para acessar clique no link: http://enghaw.com.br/vc-enghaw/banda-varias-variaveis-e-robert-moura/

Endereço: Rua Espírito Santo, 348, Centro BH. (Caminhada de 3 minutos | 220 metros | ao Cine Theatro Brasil Vallourec)
Data: 19 (sábado) e 20/12 (domingo)
Horário: 19/12 - sábado (16h às 20h) - 20/12 - domingo (14h às 18h)
Ingressos: https://www.sympla.com.br/varias-variaveis--robert-moura__50825

Em tempo: A banda Várias Variáveis também se apresenta na capital mineira na sexta-feira dia 18/12 na Casa Cultural Matriz (R. Guajajaras, 1353 - fone: 031 3212-6122) a partir das 22h.
 

terça-feira, setembro 29, 2015

Augusto Licks - Workshop em Belo Horizonte [CONFIRMADO]





Oito dias antes do encerramento da campanha de financiamento no site Kickante e com 52% do valor arrecadado, os produtores confirmaram a realização do Workshop "Do Quarto Para o Mundo" de Augusto Licks em Belo Horizonte no dia 17 de outubro. 

Entre as cotas de apoio à campanha, ainda tem disponíveis opções para quem pretende participar do workshop, e também para aqueles que querem simplesmente apoiar o projeto, mas que também receberão algumas recompensas como pôsteres, palhetas, participação em grupo privado na web e aulas de música.

Abaixo segue o link de um vídeo criado pela produção do workshop focalizando dois momentos da carreira de Augusto, o primeiro ainda nos anos 1990 e o segundo há duas semanas atrás no qual consta trecho da entrevista feita exclusivamente para a campanha no qual ele respondia exatamente a uma pergunta deste que vos escreve:


domingo, setembro 20, 2015

Augusto Licks - Entrevista sobre Workshop "Do Quarto Para O Mundo"






Essencialmente um blog de textos autorais assinados por mim e guardando (sem receios) pontos de vistas, por vezes, altamente pessoais, parafraseio vocês sabem quem para dizer que “nunca antes na história do Rock’n Geral” uma postagem teve foco em algum vídeo, áudio ou texto de terceiros. Mas, diante do brilhante discurso de Augusto Licks em respostas às perguntas de fãs enviadas pela internet como parte da campanha de financiamento de seu Workshop “Do Quarto Para O Mundo” a se realizar em Belo Horizonte no dia 17 de outubro, não resisti e resolvi postar na íntegra aqui a conversa realizada com ele por intermédio de Rodrigo Pedrosa e Manu Meneses que faz uma pequena introdução a temas que serão abordados pelo músico no workshop. Augusto Licks permanece com a mesma sobriedade que caracterizou sua carreira ao longo do tempo, extremamente consciente de seu papel na música e do músico em geral em seu contexto social. Entre as dezenas de perguntas realizadas sobre tecnologia musical, escolha de instrumentos, influências musicais, improvisação, vocês poderão ouvir uma enviada por este que vos escreve, mas destaco aqui a última resposta dada por Licks para uma pergunta recorrente que já ouvi muitos músicos responderem, mas que realmente evidencia quem é o homem Augusto Moacir Licks. Um cara que se coloca diante da vida de forma humilde, mas ao mesmo tempo consciente de sua capacidade de trabalho. Apesar de todas as realizações e glórias conquistadas, ele se mostra despido de vaidades tolas tão comuns no meio musical. Muito além do músico, é possível ver o exemplo de ser humano que ele é. Abaixo, a pergunta e resposta final da entrevista (apenas transcritas sem edição) e no link a entrevista completa em áudio.


P -... você se apresentou para grandes platéias, públicos de milhares de pessoas, dividiu o palco com grandes artistas no Hollywood Rock, no Rock In Rio, fez turnês por vários países do mundo,  qual recado você deixa um músico que está iniciado agora? Qual recado você deixa realmente?




R - Olha, você fez menção à muitas coisas, digamos assim, grandiosas, né? Grandes eventos, grandes viagens... eu diria para um músico iniciante, que ele não se deixe sensibilizar tanto pela grandiosidade do evento, se ele tocar no bairro dele, num local para meia dúzia de pessoas ou menos, aquelas poucas pessoas vão desafiá-lo, desafiar no bom sentido, a dar o seu depoimento musical, a tocar a sua música para elas, e isso, às vezes, é muito mais difícil do que tocar num estádio lotado. Então, não se preocupe com a grandiosidade das coisas, apenas que nesse ritual que é fazer uma apresentação, um concerto, isso é uma coisa que, muda a tecnologia, aparecem máquinas novas, isso aí não muda. Esse ritual de alguém chegar ali pegar um instrumento, ou voz, cantar alguma coisa, de repente, umas das poucas pessoas que está ali assistindo, ouvindo, talvez para uma dessas pessoas, a vida mude.


Clique no link abaixo para ouvir a entrevista na íntegra:



A campanha de financiamento do Workshop "Do Quarto Para O Mundo" de Augusto Licks em Belo Horizonte segue até o dia 6 de outubro. Já foram arrecadados 41% do valor total. Para os músicos iniciados ou iniciantes, a cota 7 dá direito a um mês de aula na Alaúde Escola de Música. Participe!